Problemas e lesões

Os joelhos humanos são diariamente expostos à intensa movimentação, seja pela prática esportiva, ou pelo simples fato de estar em movimento ao andar em uma superfície irregular, subir escadas, agachar, etc. Com essa exposição, diversas patologias podem acometer a região, causando dores e incômodo.

Uma das doenças mais comuns na região é a artrose do joelho, patologia conhecida por desgastar e causar frouxidão nas articulações locais, ocasionando dor no joelho e um desconforto intenso ao paciente. A artrose é categorizada como uma doença degenerativa crônica, ou seja, ela não possui cura, mas sim tratamento.

O que é / Causas

A artrose do joelho, assim como em outras partes do corpo, é caracterizada por ser uma patologia de propriedade inflamatória e degenerativa. A doença faz com que haja um desgaste das cartilagens (responsáveis por revestir as extremidades ósseas) que pode, inclusive, deformar a região.

Não existe uma razão específica pela qual a artrose do joelho aconteça, mas a comunidade médica consegue indicar algumas situações que podem causar o aparecimento do problema, incluindo a associação de diversos fatores. Dentre eles, estão:

- Predisposição genética;

- Idade (devido ao desgaste natural das articulações);

- Uso repetitivo da articulação do joelho em atividades esportivas ou laborais;

- Alterações hormonais, fazendo com que a doença afete mais pacientes mulheres;

- Excesso de flexibilidade articular;

- Traumatismo (como fraturas, torções ou pancadas diretas sobre a articulação do joelho);

- Excesso de peso (que aumenta a sobrecarga sobre a articulação da região);

- Prática de exercícios físicos por um longo período sem a orientação de um profissional.

Sintomas

Os principais sintomas da artrose do joelho envolvem dor no joelho e inflamação na região, porém, o paciente também pode sentir rigidez durante a parte da manhã; estalos no joelho e dificuldade em pisar no chão. Além disso, a limitação nos movimentos (principalmente ao tentar esticar o joelho) e a perda gradativa de movimento, que pode ocorrer nos casos mais graves, também são sintomas associados ao problema.

Diagnóstico

O diagnóstico de artrose do joelho é feito por um médico ortopedista que faz avaliações físicas e dos exames de imagem. O raio x, a ressonância magnética e a tomografia são alternativas utilizadas para identificar o problema.

Esses resultados, aliados ao exame clínico, são as ferramentas que o profissional tem para diagnosticar o problema.

Tratamento

O tratamento para artrose do joelho envolve o uso de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos; infiltrações com corticoides, anestésicos, ou ácido hialurônico (caso necessário); sessões de fisioterapia e cirurgia nos casos mais graves. O principal objetivo do tratamento consiste em diminuir a dor e o inchaço no joelho, incentivando o paciente a voltar para as atividades do dia a dia.

Por se tratar de uma doença com muita especificidade de paciente para paciente, é necessário ter um acompanhamento contínuo para que o médico especialista possa acompanhar a evolução da artrose do joelho.

Dentre os tratamentos convencionais, o que mais se destaca é a fisioterapia. Por meio de exercícios controlados e acompanhados, muitas vezes, o problema consegue ser controlado e as dores, inchaços e limitações costumam desaparecer.

Em outros casos, quando a fisioterapia não é o suficiente, o médico pode optar por um tratamento pelo uso da prótese de joelho. Também conhecida como artroplastia de joelho, a prótese de joelho irá substituir a articulação e cartilagens gastas, podendo ser parcial ou total.

Outras informações

A principal recomendação para quem está sentindo alterações no joelho é procurar, sempre, um médico. Ao sentir dor ou inflamação na região, recomenda-se que o paciente não faça uso de medicamentos por conta própria.

Muitas vezes, ao optar por se cuidar sem a orientação profissional, o paciente acaba agravando sua condição e comprometendo a articulação, o que fará com que o tempo de recuperação seja maior e mais complexo.

A fisioterapia também precisa ser seguida à risca, tanto em casos conservadores, como em casos cirúrgicos (como a inserção da prótese de joelho). Esses exercícios supervisionados serão fundamentais para a recuperação da amplitude de movimento e para garantir que o paciente volte bem às atividades do dia a dia.