Problemas e lesões

 

Não há dúvidas que, para atletas de esportes como o triathlon, atletismo, corrida, ciclismo, etc, a região dos joelhos é a área que mais necessita de cuidados especiais, tanto para ser possível realizar as outras atividades do dia a dia, quanto para manter um bom rendimento nessas atividades esportivas.

Composto por uma gama bastante complexa de estruturas como tendões, cartilagens e um osso, a patela, o joelho é uma estrutura rígida que é capaz de suportar impactos fortíssimos antes de se lesionar. Entretanto, a patela, pequena estrutura triangular que fica “saltada” a frente do joelho, além de proteger os tendões do joelho, pode ser a responsável por diversas dores incomodas que um atleta pode vir a sentir.

Correr, pedalar ou fazer musculação de maneira incorreta são apenas alguns fatores que podem resultar em danos a essa estrutura, gerando dor no joelho e, o esforço repetitivo, pode acabar resultando em problemas mais graves na região. Um desses problemas é a chamada Condromalácia Patelar, nome concedido a um desgaste de uma das cartilagens do joelho.

O tratamento para essa enfermidade precisa ser feito o quanto antes para evitar que os fluidos que compõem o joelho sejam afetados e, assim, não comprometa a durabilidade e longevidade dessa estrutura tão importante para o nosso corpo e dia a dia.

O que é?

A enfermidade é, como citado, um problema resultante da má prática de atividades físicas, gerando uma pressão excessiva na cartilagem da patela. Quando a dor começa a se manifestar e a condromalácia é diagnosticada, é possível que a cartilagem já tenha sofrido danos permanentes.

É importante ressaltar, também, que não é possível “sentir dor” na cartilagem, afinal, essa estrutura não possui nervos e várias outras enfermidades podem aparecer nessa região, como a condropatia, uma doença que é caracterizada por atacar só as cartilagens e que, felizmente, nada tem a ver com a condromalácia.

Causas

Não há uma razão científica para o surgimento do problema da condromalácia, o que se sabe é que o esforço repetitivo, que vem das atividades como corridas, natação e bicicleta, as três modalidades do triathlon, podem ocasionar o problema.

Também é possível que a dor no joelho aconteça devido à outra lesão na região que é conhecida no meio médico como “síndrome femôro-patelar”, problema que acaba resultando em um grande problema para o joelho, já que não tem a ver com a cartilagem, mas com as estruturas que circulam a patela.

Sintomas

Entre os principais sinais da condromalácia, vale destacar:

- Dor no joelho;

- Dor na patela;

- Inchaço por baixo da patela;

- A dor constante no joelho.

Diagnóstico

A primeira atitude para um diagnóstico preciso é a de procurar um ortopedista, médico especializado nesse tipo de patologia e enfermidade. O processo de descoberta da doença é feito através de exames de imagem, fato que vai ajudar na eliminação de outros problemas no joelho, como lesão no menisco, artrose, etc. O exame mais usado para identificar esse tipo de situação é a ressonância magnética.

O doutor será o responsável por indicar o tratamento adequado ao problema. É importante ressaltar que ele pode, ainda, receitar medicamentos ou a parada dos exercícios, dependendo do grau da lesão. É fundamental seguir o programa de recuperação para não piorar a gravidade do problema e não provocar outros.

Também não é incomum que o médico peça novas visitas do paciente para acompanhar o processo de recuperação e entender se o organismo do paciente está respondendo de maneira satisfatória. Como se trata de uma cartilagem importante para a sustentação do corpo, acompanhar o progresso do tratamento é imperativo para evitar problemas futuros.

Tratamento

O processo de recuperação envolvendo a condromalácia não costuma envolver intervenções cirúrgicas, sendo necessária, na maioria dos casos, a dedicação à fisioterapia. Entre os principais cuidados que o paciente em recuperação precisa ter, é bom citar alguns, como:

- Diminuir os esforços que demandem impacto (incluindo atividades esportivas);

- Evitar a subida e descida de escadas e;

- É recomendado o uso de calçados mais confortáveis, de preferência voltado à pisada do paciente.

Apesar desses avisos, alguns casos não conseguem ser resolvidos de maneira convencional, sendo necessário um processo corretivo.

Outras Informações

O principal conselho para os pacientes que sofrem com a condromalácia é o de seguir o tratamento à risca. Não fazer nada além do recomendado pelo médico e pelo fisioterapeuta, realizar os exercícios de alongamento e, no caso da condromalácia feminina, evitar o uso do salto são fatores fundamentais para que o problema seja tratado e desapareça.

Fortalecer a região com a musculação aliada à fisioterapia também é uma dica valiosa, afinal, trabalhar os músculos da região do quadril pode ajudar na equalização de peso, tirando um pouco da carga do joelho e auxiliando a recuperação e estabilização da região.

Um aviso fundamental e que merece total atenção fica por conta da automedicação, ela não é recomendável. Assim como também não é o ideal procurar tratamentos alternativos, como infiltrações e anti-inflamatórios, opções que podem prejudicar de maneira severa os joelhos do paciente.

Além de serem tratamentos que fogem do convencional, muitas vezes não são acompanhados de profissionais gabaritados, gerando resultados que podem ser irreversíveis e danosos às cartilagens, trazendo enorme prejuízo à qualidade de vida da pessoa.